contador de visita

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

Momento de Poesia

18
Set15

O DESALENTO

 

Se tu soubesses o que é o desalento

Da noite imensa, escutando o vento,

No deserto da dor e da saudade...

Se gritasses ao vento palavras de verdade...

Se soubesses o que é andar na vida

Ao sabor das marés, barca perdida,

No mar morte de ilusão e dos desejos...

Se te queimasse a boca o cáustico dos beijos,

Se fosses uma folha abandonada no caminho

Ave afastada do calor do seu ninho

Entregue ao vaivém da desgraça e da sorte,

Se te quebrassem as asas e desejasses a morte

Se soubesses o que é ter um coração

E arrancá-lo do peito com dura e férrea mão

Se partisses o coração como eu partí

Para não o deixar partir de amor por tí

Se sentisses na alma a labareda forte

Dum amor que vence a vida e há-de vencer a morte

Talvez então soubesses compreender

Quanto o coração de um homem pode sofrer.

 

João Rodrigues (1967)