contador de visita

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

Contos e Lendas

12
Fev24

Beja – A morte do Lidador

 

Eis uma história de guerra e outra de amor impossível.

Vamos encontrar o Lidador, Gonçalo Mendes da Maia, fiel companheiro de armas de D. Afonso Henriques, no ocaso da sua vida. Com 95 anos, mesmo assim senhor da sua figura possante, fronteiro de Beja, onde vivia ma mira dos combates com os serracenos. Com ele estavam duas figuras igualmente lendárias da fundação da Nacionalidade. Precisamente Men Moniz e Lourenço Viegas, o Espadeiro cuja sepultura se encontra na capelinha de São Brás, no cemitério velho de Vila Real. Diz a lenda que o Lidador reservara para o seu dia de aniversário uma surtida contra os mouros de Almoleimar, que perigosamente se aproximavam da cidade de Beja Em vão os seus amigos tentaram dissuadi-lo. As suas mãos podiam com a espada, e isso bastava-lhe. Assim, preparou uma força de 30 cavaleiros e mais 300 homens a pé e saiu em busca do inimigo. Este estava calculado em 10 vezes mais.

Sairam cedo, atravessando as serras, onde havia claros sinais do inimigo. Assim, aproximando-se de uma mata, o Lidador mandou um batedor. Porém, este pouco tinha avançado quando recebeu uma flecha em pleno peito, caindo redondo. Parecia o sinal de combate. E se do lado cristão a invocação era a Santiago, era “Alá” o grito dos Mouros. A diferença numérica não parecia afectar o Lidador, que logo se viu face a face com o próprio Almoleimar. Este era mais novo que o português, mas o Lidador tinha muita experiência de combate. Os golpes eram violentos, e por pouco Gonçalo Mendes da Maia não ficou estendido no campo da refrega.

O cavalo, sentindo afrouxar as rédeas, quis fugir-lhe, mas o velho soldado, recobrando os sentidos, trouxe-o de volta à luta, procurando o chefe mouro. Novamente combateram, e a adaga deste atravessou a malha metálica do Lidador, entrando-lhe do ombro até ao osso. Respondeu-lhe o Lidador com um golpe que acabou com o inimigo.

A batalha estava longe do fim. Aproximavam-se reforços para os Mouros. Um milhar de guerreiros capitaneados pelo Rei de Tânger, Ali-Abu-Hassan, acabavam de entrar na liça.

O Lidador mandor que lhe substituíssem a montada por uma mais folgada. Men Moniz e o Espadeiro lutavam com uma bravura que os transformava de homens em máquinas de guerra.

Mas o velho Lidador, que fazia tremendos estragos na mourama , a dada altura, no esforço supremo de um golpe que abriu ao meio um serraceno, sentiu a vida ir-se-lhe numa golfada de sangue que lhe saía do seu ferimento. E caiu morto.

Eram 80 anos de combate que se cumpriam, pois terçara armas pela primeira vez ainda rapaz de 15 anos!

Seria o Espadeiro a matar o Rei de Tânger, fazendo que o inimigo retira-se. Todavia, a alegria de mais uma vitória alcançada foi sufocada pela morte do Lidador.