contador de visita

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

http://joaoalegria.blogs.sapo.pt

<div id="sfc33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5"></div> <script type="text/javascript" src="https://counter8.stat.ovh/private/counter.js?c=33p9rmnbqy98b4ahfpn4a6hu3sah3hg5&down=async" async></script>

Contos e Lendas

27
Nov23

As Santas cabeças

 

Na ponta mais ocidental do Algarve, aí está p concelho de Aljezur. Da sua antiguidade dão noticia achados arqueológicos do paleolítico e elementos da cultura mirense (4.000 a. C), para além de descobertas de cerâmica grega. Pois na igreja matriz desta vila estão depositadas duas caveiras conhecidas como Sanas Cabeças. Um pouco de toda a região, ali afluem grupos de pessoas, padecendo de mordeduras de cães e outros animais, dores de cabeça e de dentes, males de coração e outros. Procuram lenitivo, cura. E aquelas relíquias são veneradas e dizem-nas milagrosas.

E a história vem do tempo do Rei D. Manuel I e do bispo do Algarve D. Fernando Coutinho. Pois então existiam no espaço geográfico deste concelho dois lavradores, João Galego e Pedro Galego, pai e filho, reconhecidamente trabalhadores, bondosos e justos. Porém, a fama deles cresceu quando começou a constar que apenas com o hálito curavam os doentes que junto deles acudiam. E deles restam a lenda e as Santas Cabeças de Aljezur, que continuam a ser veneradas. Mais recuada no tempo é a lenda da tomada do castelo de Aljezur, que, como a vila, foi fundado no século X pelos Árabes. A conquista cristã ocorreu exatamente no dia 24 de junho de 1249, reinado de D. Afonso III. Numa operação que começou muito de madrugada, cavaleiros da Ordem Militar de Sant’Iago comandados pelo seu mestre D. Paio Pires Correia, usaram um estratagema, contando com a traição – inconsciente? – de uma moura apaixonada.

A lenda começa no ano anterior ao da conquista, quando a moura Mareares, que tinha amores com um cavaleiro cristão, lhe contou que a 24 de junho os árabes não faltavam ao banho na praia da Amoreira. Ora, essa informação teve grande importância militar, pois, chegado aquele dia do ano seguinte, os cavaleiros da Ordem de Sant’Iago camuflaram-se com arbustos e, enquanto os guerreiros árabes se banhavam na longínqua praia, entraram  o castelo.

O castelo seria tomado ao romper da alva, e logo os conquistadores se ajoelharam para agradecer a Deus e a Nossa Senhora da Alva, ficando esta, e até hoje, como padroeira de Aljezur. Diz-se que a sogra do alcaide, uma velha cega, com a sua neta pela mão, andava a passear pelas muralhas àquelas horas do romper do dia. E a movimentação dos guerreiros cristãos abrigados nas ramagens chamou a atenção da menina que perguntou:

- Ó avó, as árvores também andam? E, mais a meio da manhã quando os árabes regressavam ao castelo após o banho ritual, foram surpreendidos e presos pelos homens de D. Paio, que os mandou acorrentar e levar para a zona sul do castelo. Aí impiedosamente o mestre de Sant’Iago mandou decapitá-los, ficando o local a denominar-se Degoladouro, sendo depois as suas cabeças lançadas  para a zona norte, para um sítio ainda hoje chamadoCabeças!